Medellín, no meio dos Andes tem Praia

     

Em 1616, ao lado  do riacho de Aná, fundou-se a Villa de Nuestra Señora de la Candelaria, pois a pureza das águas desse afluente permitia um ótimo abastecimento da nova vila. Três séculos depois mudaram os nomes e as circunstâncias: o outrora cristalino riacho está sepultado e é um esgoto chamado Santa Elena, a pequena vila agora é a caótica cidade de Medellín.

A ideia da modernidade trouxe indústria e um crescimento sobrecarregado que deixou os rios cheios de lixo industrial, o carro tornou-se _ prioridade e algum «gênio do progresso» ideou sepultar o Santa Elena em uma abóboda de cimento que seria a Avenida La Playa.

Contudo, Medellín mais uma vez demostra a sua capacidade de renascer e fazer frente aos fantasmas do passado. A cidadania decidiu intervir essa Avenida propondo reflexões em torno à relação da cidade com os seus recursos hídricos, à proporção do espaço público dedicado aos carros, pedestres e bicicletas, à maneira em que os cidadãos temos perdido lugares de encontro no centro da cidade.

Assim como a cidade se reinventa, o jeito de protestar também. Jogar pedras e fazer barricadas nas ruas fica obsoleto frente à ação criativa, massiva e pacífica dos cidadãos, que propõem uma construção alternativa da cidade através do poder dos símbolos.

A cidade muda tornando pedestre La Playa por um mês e demostrando que Medellín é viável com menos espaço para os carros particulares, com uma praia de areia real que evoca o nome da avenida e que permite que os cidadãos voltemos a nos encontrar no centro, que nos lembre que sepultamos um rio que agora está morrendo por nossas ações.

antes

urbanismplaya2

Urbanismplaya3

Urbanismplaya

playa 1 playa 2 playa 3

 após uma intervenção da cidadania

makingplaces1makingplaces2makingplaces3makingplaces4makingplaces5makingplaces6makingplaces7makingplaces8makingplaces9

 

@JFValenciaF

[author] [author_image timthumb=’on’]https://alponiente.com/wp-content/uploads/2014/12/chepe.jpg[/author_image] [author_info] José Fernando Valencia Fernández Porque me ven la barba y el pelo y la mochila dicen que soy politólogo ¡y de la Nacional! Llevo el pereque en mi sangre y me gusta ora ponerlo ora incitarlo. Lusófono, paisa, latinoamericano. Me gustan algunas causas perdidas, para la muestra soy del DIM. @JFValenciaF #Chepepregunta.  [/author_info] [/author]

About the author

Al Poniente

Al Poniente es un medio de comunicación independiente que tiene como fin la creación de espacios de opinión y de debate a través de los diferentes programas que se hacen para esto, como noticias de actualidad, cubrimientos en vivo, columnas de opinión, radio, investigaciones y demás actividades. Esta publicación ha sido hecha por la línea editorial de Al Poniente.

4 Comments

Click here to post a comment

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.

  • I simply want to mention I am new to weblog and truly liked this blog site. Most likely I’m planning to bookmark your website . You definitely have good writings. Regards for sharing your website page.

  • Between me and my husband we’ve owned more MP3 players over the years than I can count, including Sansas, iRivers, iPods (classic & touch), the Ibiza Rhapsody, etc. But, the last few years I’ve settled down to one line of players. Why? Because I was happy to discover how well-designed and fun to use the underappreciated (and widely mocked) Zunes are.

  • Good day, I just hopped over in your web site via StumbleUpon. Not something I would generally read, but I favored your emotions none the less. Thank you for making something value reading.

  • I just could not depart your site prior to suggesting that I extremely loved the usual info an individual provide to your visitors? Is gonna be again incessantly in order to investigate cross-check new posts